Entre 1912 e 1913, Eduardo Fernando Chaves projeta, calcula, fiscaliza e constrói 220 obras, que incluem palacetes, villas, bungalows, cottages, casas econômicas, escritórios, edifícios comerciais e residenciais, igrejas, colégios, instituições religiosas. Trabalha, também, em reformas, ampliações e muros de vedação. 
 São construções voltadas para todas as classes sociais, variando de um a sete pisos, com áreas entre 36 e 1300 m² entre as residências, até 1.980 m² nos edifícios e, 5.165 m² nas instituições religiosas, apropriando-se de diversos usos e múltiplas técnicas, como o domínio do uso da madeira, da alvenaria autoportante e do concreto armado.   
A arquitetura que realiza é característica do período de 1910 a 1940, na qual o conhecimento científico e arquitetônico incorpora técnicas, materiais construtivos e equipamentos modernos, a infraestrutura urbana e as múltiplas linguagens formais vigentes. Neste momento em que o programa de necessidades torna-se complexo, exigindo do arquiteto composições funcionais, que enfatizam o caráter de cada edificação.